A TAL “DATA LIMITE” DE CHICO XAVIER

(CHICO E OS “CHICOS”)
Chico

Admito que esse texto ficou um pouco longo, mas não há como ser superficial nesse assunto. Quem quer ser um espírita consciente, precisa se preparar para ler e estudar um pouco, justamente para não ser levado por ideias contrárias aos princípios da Doutrina.

No livro “As vidas de Chico Xavier”, de Marcel Souto Maior, ficamos sabendo que, pouco antes de desencarnar, Chico tinha preocupações com a possibilidade de seu nome ser utilizado de forma inadequada após sua morte.

“Uma de suas principais preocupações era impedir que impostores divulgassem, após sua morte, supostas mensagens transmitidas por ele. Temia que, em busca de projeção, médiuns se apresentassem como porta-vozes de seu espírito.

Para evitar fraudes, Chico combinou um código secreto com três pessoas de sua confiança: o médico e amigo Eurípedes Tahan Vieira, o filho adotivo Eurípedes Higino dos Reis e Kátia Maria, sua acompanhante nos últimos anos de vida. Três informações deveriam constar da primeira mensagem enviada do além.” (1)

Até o momento, não se obteve nenhuma comunicação que informasse o tal código. Alguns médiuns já psicografaram mensagens e até livros supostamente escritos pelo espírito de Chico, outros chegaram a se apresentar por psicofonia, porém nenhum forneceu a prova que o próprio Chico determinou para confirmar a autenticidade da comunicação.

Carlos Bacelli, que psicografou livros em nome do espírito de Chico, coincidentemente afirma que o tal código não existe e que Chico nunca o definiu, informação esta que contraria o que as três pessoas citadas afirmam, ou afirmavam pois uma delas já desencarnou. Porém, Bacelli não esteve presente nos últimos anos da vida de Chico, pois foi afastado pelo médium após desentendimentos, portanto Chico bem poderia ter definido o código sem o conhecimento de Bacelli.

O código secreto foi criado em 1994, oito anos antes da morte de Chico Xavier. Apesar da senha, segundo os amigos, Chico dizia que quando morresse ainda passaria um bom tempo sem se manifestar.

O médico Eurípedes Tahan, que também guarda o segredo do médium, afirmou: “Alguns meses antes dele partir ele nos deu uma maneira de podermos identificar alguma palavra que ele viesse a nos trazer. Tudo o que já foi feito está aqui. Se ele não se manifestar é porque não há necessidade”.

Eurípedes Higino, filho adotivo de Chico e um dos detentores do código, explicou o porque da certeza de que o médium ainda não tenha se manifestado de forma escrita, como muitos acreditam. “Acredito, como ele nos dizia, que tudo o que ele tivesse de escrever estava escrito. Ele está se manifestando e continuará se manifestando de várias maneiras. Pessoas nos contam que sonharam com ele, que viram ele, sentiram a presença dele. O que ele comentava era com a psicografia, com a escrita, a manifestação não iria acontecer”.

Chico nunca se comportou como se fosse alguém importante. Gostava de dizer que não passava de um “cisco”. Porém, Chico não era burro e sabia da importância que sua figura representava para o movimento espírita. Por isso sabia que, após sua morte, o plano espiritual inferior tentaria introduzir falsos conceitos com a sua assinatura, ou mesmo desacreditá-lo, pois algo dito por Chico seria muito considerado. Esse foi o motivo da elaboração do código.

O tempo provou que o código não impediu que médiuns, inclusive respeitados por muitos espíritas, alegassem estar recebendo mensagens de Chico Xavier. Alguns espíritas inclusive defendem que a falta do tal código não invalidaria o texto. Ou seja, acreditam que Chico inventou um sistema anti-fraude somente para não utilizá-lo posteriormente…

Mas o que Chico não conseguiu prever foi que o plano espiritual inferior é muito mais esperto do que se pensa. Não podendo escrever em nome de Chico sem o código e ser aceito, irrestritamente, por todos os espíritas, lançou mão de outro artifício: a afirmação retrospectiva. O que vem a ser isso? Diversas pessoas, algumas que tiveram um bom contato com Chico, outras que só se encontraram raras vezes, começaram a dar declarações e até escrever textos citando informações ditas por Chico antes de sua morte. Porém, a maioria dessas informações causa estranheza, pois o conteúdo difere de tudo que Chico já havia afirmado ou comentado e que havia sido publicado antes de sua morte.

Assim é que, de tempos em tempos, surge algum “causo” de Chico, contado por uma pessoa que alega uma intimidade que nem sempre é confirmável. A forma como isso é contado parece mesmo um caso real, mas o conteúdo da informação, muitas vezes, é totalmente diferente daquilo que se conhece do comportamento e pensamento do médium. Então, estórias que mostram um Chico dando lição de moral no autor ou criticando duramente o erro alheio, coisas que ninguém que conviveu com Chico jamais presenciou, passam a ser citados como verdades inquestionáveis.

É como se, após a morte de Chico, surgissem vários outros “Chicos”, cada um com características próprias. Como não se trata de psicografia, mas de lembranças de pessoas que conviveram com Chico, os espíritas não aplicaram o rigor ensinado por Kardec diante de mensagens do além. Afinal, “foi Chico que disse”. Mas as lembranças de pessoas realmente são incontestáveis?

Estudos mostram que, raramente, uma pessoa é capaz de descrever fielmente um fato que presenciou. Esses estudos são sempre citados por ocasião de julgamentos, quando uma testemunha afirma categoricamente algo. A mente humana nos prega peças. Assisti a uma documentário sobre o assunto. Um grupo de pessoas assistiu a um vídeo e, depois, foi perguntada a cor da mochila que a pessoa usava. As pessoas se dividiram em dois grupos, um que afirmava que a mochila era branca, outro que a mochila era azul. Quando o vídeo foi repassado, a pessoa não usava mochila alguma. O examinador simplesmente induziu as pessoas a acreditar nisso.

E, para o estudioso espírita, existe a informação adicional de que, certos espíritos podem criar ilusões sobre pessoas suscetíveis. No caso de médiuns, pode haver fascinação a ponto desse médium não ter mais condições de notar que está sendo enganado.

Preferimos pensar nessas possiblidades do que na hipótese mais triste de simples fraude e má fé. Porém qualquer uma delas é igualmente destrutiva para a reputação de Chico e do próprio Espiritismo.

O que mais causa espanto é que pouquíssimos espíritas questionaram o conteúdo de muitas dessas mensagens. Parece que o desejo de ter novamente o médium mineiro entre nós foi tão grande que qualquer um que anunciasse ter mensagens de Chico é automaticamente considerado digno de confiança. Esquecem que o próprio Chico já admitia a existência de médiuns inescrupulosos ao criar o código.

De todas as “mensagens de Chico”, psicografados ou lembradas, aquela que mais notoriedade ganhou foi a alegada “profecia para 2019”.

Na edição 439, de maio de 2011, do jornal “A Folha Espírita”, foi lançado um artigo escrito pela senhora Marlene Nobre em que constam supostas “revelações” do médium Francisco C. Xavier, feitas de maneira informal em 1986, sobre o futuro do planeta e, mais especificamente sobre o Brasil. Essas informações haviam sido passadas por Chico ao, na época, adolescente Geraldo Lemos, entrevistado por Marlene nesse artigo.

O conteúdo dessa “revelação” choca aqueles que conhecem um pouco mais a Doutrina Espírita, mas não chocou tanto aqueles pouco afeitos à leitura das obras básicas ou mais crédulos.

O movimento espírita passou, desde então, a se dividir em dois grupos: os que acreditam nas informações de Geraldo e aqueles que não acreditam.

Uma das pessoas que analisou profundamente o conteúdo das “revelações” foi o escritor e palestrante espírita Nelson Moraes. Num texto que mereceu elogios até de Heloísa Pires, filha do grande Herculano Pires, Nelson ressalta algumas inconsistências e contradições existentes na alegada profecia.

Na alegada conversa com Geraldo, Chico teria dito, ao se referir a uma reunião que estava prevista entre os líderes espirituais do sistema solar.

“…estou informado que essa reunião de fato já ocorreu. Ela se deu quando o homem finalmente ingressou na comunidade planetária, deixando o solo do mundo terrestre para pisar pela primeira vez o solo lunar.

Nelson Moraes comenta: Ora, devemos entender então que o que conta para projetar o ser humano à comunidade planetária é o seu avanço tecnológico? E o avanço espiritual e moral não conta?

Chico: “O homem, por seu próprio esforço, conquistou o direito e a possibilidade de viajar até a Lua, fato que se materializou em 20 de julho de 1969. Naquela ocasião, o Governador Espiritual da Terra, que é Nosso Senhor Jesus Cristo, ouvindo o apelo de outros seres angelicais de nosso Sistema Solar, convocara uma reunião destinada a deliberar sobre o futuro de nosso planeta. O que posso lhe dizer, é que depois de muitos diálogos e debates entre eles foram dadas diversas sugestões e, ao final do celeste conclave, a bondade de Jesus decidiu conceder uma última chance à comunidade terráquea, uma última moratória para a atual civilização no planeta Terra. Todas as injunções cármicas previstas para acontecerem ao final do século XX foram então suspensas, pela Misericórdia dos Céus, para que o nosso mundo tivesse uma última chance de progresso moral.

Análise de Nelson: Suspender as injunções cármicas seria anular a lei de causa e efeito, Jesus jamais derrogaria uma lei divina, tanto o é que tais injunções continuaram a ocorrer após o século XX quando tivemos vários terremotos e tsunamis de grandes proporções apontando resgates coletivos em vários paises. Ou será que essa suspensão cármica foi só para alguns paises privilegiados?

Chico: “Segundo a imposição do Cristo, as nações mais desenvolvidas e responsáveis da Terra deveriam aprender a se suportarem umas às outras, respeitando as diferenças entre si, abstendo-se de se lançarem a uma guerra de extermínio nuclear. A face da Terra deveria evitar a todo custo a chamada III Guerra Mundial. Segundo a deliberação do Cristo, se e somente se as nações terrenas, durante este período de 50 anos, aprendessem a arte do bem convívio e da fraternidade, evitando uma guerra de destruição nuclear, o mundo terrestre estaria enfim admitido na comunidade planetária do Sistema Solar como um mundo em regeneração.

Análise: Jesus não precisaria impor nenhuma condição, ela já está estabelecida nas leis divinas que desde que o mundo é mundo dá a cada um segundo suas obras. Se algo tivesse que ocorrer no século XX dentro dos merecimentos do ser humano nada poderia evitar, caso contrário, as leis divinas não seriam soberanas e muito menos justas e os que têm de sede justiça, jamais seriam saciados. Aqui falta bom senso, se em milhares de anos o ser humano não conseguiu desenvolver a fraternidade, Jesus saberia que seria impossível desenvolvê-la em apenas 50 anos.

Chico: Se evitarmos a guerra… “Nós alcançaremos a solução para todos os problemas de ordem social, como a solução para a pobreza e a fome que estarão extintas; teremos a descoberta da cura de todas as doenças do corpo físico pela manipulação genética nos avanços da Medicina; o homem terrestre terá amplo e total acesso à informação e à cultura, que se fará mais generalizada; também os nossos irmãos de outros planetas mais evoluídos terão a permissão expressa de Jesus para se nos apresentarem abertamente, colaborando conosco e oferecendo-nos tecnologias novas, até então inimagináveis ao nosso atual estágio de desenvolvimento científico; haveremos de fabricar aparelhos que nos facilitarão o contato com as esferas desencarnadas, possibilitando a nossa saudosa conversa com os entes queridos que já partiram para o além-túmulo; enfim estaríamos diante de um mundo novo, uma nova Terra, uma gloriosa fase de espiritualização e beleza para os destinos de nosso planeta.”

Análise: Aqui as contradições exacerbam, não extinguiremos as causas das doenças através da renovação moral, mas sim através da manipulação genética. A elevação moral e espiritual já não será necessária para interagirmos com o mundo espiritual, o faremos através de aparelhos sofisticados.

Geraldo: No caso de uma guerra nuclear tornar o Hemisfério Norte inabitável, Segundo Chico me revelou, o que restasse da ONU acabaria por decidir a invasão das nações do Hemisfério Sul, incluindo-se aí obviamente o Brasil e o restante da América do Sul, a Austrália e o sul da África, a fim de que nossas nações fossem ocupadas militarmente e divididas entre os sobreviventes do holocausto no Hemisfério Norte. Aí é que nós, brasileiros, iríamos ser chamados a exemplificar a verdadeira fraternidade cristã, entendendo que nossos irmãos do Norte, embora invasores a “mano militare”, não deixariam de estar sobrecarregados e aflitos com as consequências nefastas da guerra e das hecatombes telúricas, e, portanto, ainda assim, devendo ser considerados nossos irmãos do caminho, necessitados de apoio e arrimo, compreensão e amor.

Neste ponto da conversa, Chico fez uma pausa na narrativa e completou: “Nosso Brasil como o conhecemos hoje será então desfigurado e dividido em quatro nações distintas. Somente uma quarta parte de nosso território permanecerá conosco e aos brasileiros restarão apenas os Estados do Sudeste somados a Goiás e ao Distrito Federal. Os norte-americanos, canadenses e mexicanos ocuparão os Estados da Região Norte do País, em sintonia com a Colômbia e a Venezuela. Os europeus virão ocupar os Estados da Região Sul do Brasil unindo-os ao Uruguai, à Argentina e ao Chile. Os asiáticos, notadamente chineses, japoneses e coreanos, virão ocupar o nosso Centro-Oeste, em conexão com o Paraguai, a Bolívia e o Peru. E, por fim, os Estados do Nordeste brasileiro serão ocupados pelos russos e povos eslavos.

Análise: Aqui surge o absurdo revelando a prevalência da força sobre o moral, anulando mais uma vez a lei de causa e efeito e todo o esforço dos brasileiros que mantiveram a paz e a mansidão durante séculos de reencarnações respeitando a soberania de outros paises, e que, apesar dessa conduta exemplar, acabariam obrigados a entregarem tudo o que conquistaram para os tiranos do hemisfério norte. Diante disso passamos a entender que as poderosas forças militares é que “herdarão” a Terra, não mais os mansos, conforme afirmou Jesus.

Chico: “Nós não podemos nos esquecer de que todo esse intrincado processo tem a sua ascendência espiritual e somos forçados a reconhecer que temos muito que aprender com os povos invasores. Vejamos, por exemplo: os norte-americanos podem nos ensinar o respeito às leis, o amor ao direito, à ciência e ao trabalho.

Análise: Como o povo norte-americano que tem como característica a guerra e o desrespeito à soberania alheia, poderá nos ensinar o respeito ao direito e o amor às leis?

Geraldo: (sua fonte não foi citada) “Outra decisão dos benfeitores espirituais da Vida Maior foi a que determinou que, após o alvorecer do ano 2000 da Era Cristã, os espíritos empedernidos no mal e na ignorância não mais receberiam a permissão para reencarnar na face da Terra.

Análise: Ante essa decisão dos benfeitores eu pergunto: se a partir de 2000 só reencarnaram espíritos bons, como explicar a criminalidade e a violência hoje constatada entre crianças com a idade entre 8 e 11 anos em todo o mundo, semelhantes as da quadrilha composta por crianças com menos de 11 anos e que age na zona sul de São Paulo aterrorizando seus moradores?

Geraldo: “Entretanto, sejamos otimistas. Lembremo-nos que deste período de 50 anos já se passaram 42 anos em que as nações mais desenvolvidas e responsáveis do planeta conseguiram se suportar umas às outras sem se lançarem a uma guerra de extermínio nuclear. Essa era a pré-condição imposta por Jesus.

Análise: Ora, as guerras continuam e no Hemisfério Norte várias nações não se suportam e atentam contra a soberania umas das outras, de que mundo estamos falando? Segundo ao que assistimos no mundo, uma guerra de grandes proporções ainda não está descartada e ela poderá ocorrer antes ou até mesmo após 2019.

Por fim, Nelson Moraes conclui: Não quero colocar em cheque a idoneidade dos envolvidos, mas se as revelações de Chico Xavier foram exatamente como relata seu amigo, o que aprendemos com o Espiritismo perdeu totalmente o sentido e o mundo seguirá sob a égide do “salve-se quem puder”.(2)

Outros autores respeitados no meio espírita comentaram igualmente o conteúdo das revelações enquanto outros nem se dignaram a falar do assunto, por considerá-lo extremamente questionável. Alertam que o Plano Espiritual Superior não revela nada inutilmente. Porém, a divulgação desse tipo de profecia, do modo como está sendo feito, em nada contribui para a reforma íntima das pessoas.

Um texto de Rinaldo de Souza comenta que “é o tipo de informação duvidosa que, em nossa opinião, deve ser evitada a divulgação para que não venhamos associar a imagem do Espiritismo com eventuais práticas de ocultismo e adivinhação, caracteres esses não aderentes a sua essência quanto ciência filosófica.” (3)

Outro ponto que Rinaldo aborda é que, “se essa informação corresponde a uma realidade que será confirmada na data especificada, por que a mantiveram escondida por mais de 25 anos em detrimento do esclarecimento das pessoas? Se ela era tão importante assim, porque não revelaram logo que foi recebida, para que as pessoas pudessem ter mais tempo de se regenerar?”

“Em 25 anos, é possível conscientizar muita gente… Ocultar algo assim tão grave seria, ao nosso ver, no mínimo uma indiferença para com as pessoas que ainda teriam tempo de tentar mudar seus comportamentos para garantir sua permanência neste mundo. Outro fator importante a se considerar é que, como os Espíritos Superiores não são indiferentes e nem cruéis conosco, uma vez percebendo a ocultação de uma informação de tal relevância para a humanidade, eles dariam o mesmo tipo de comunicação através de muitos outros médiuns (assim como foi com a codificação), de modo que a verdade não ficasse confiada somente nas mãos de um único “escolhido”. Os Espíritos Superiores não são imaturos a ponto de revelarem uma informação de tal magnitude restritivamente, correndo o risco de ser eventualmente perdida caso o “escolhido” viesse por exemplo a desencarnar ou sofrer algum problema de saúde que o deixasse incapaz de repassar a informação. Sendo assim, nos permitimos o direito de manter reserva com relação a aceitar de imediato como verdade esse tipo de publicação.”

“Cada vez que uma dessas “revelações” acima caiu na Internet, foi um show de mensagens “bombáticas” daqui e dali. O mais espantoso é que não há sequer unidade de pensamento entre elas. Cada revelação “chuta” uma data completamente diferente da outra, sem um mínimo de proximidade e elementos justificáveis. É nessa hora que recorremos à codificação para tentarmos chegar a uma ideia mais apurada de quem estaria com a verdade. Felizmente Kardec, a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas e os Espíritos Superiores não se omitiram com relação a esse assunto: são recorrentes as citações informando que a determinação de datas para os acontecimentos não é uma postura de Espíritos esclarecidos. Segue um trecho da nota de Kardec em O Livro dos Médiuns, item 303:

‘Devem, além disso, considerar-se suspeitas, logo à primeira vista, as predições com época determinada, assim como todas as indicações precisas, relativas a interesses materiais’.”

Como consequência do livro “Não será em 2012”, lançou-se recentemente um documentário intitulado “Data Limite, segundo Chico Xavier”, título mais compatível com filmes do cinema-catástrofe. Nesse documentário, os autores procuram dar um ar de legitimidade ao conteúdo do livro, citando a famosíssima entrevista de Chico no programa Pinga-Fogo, em 1971. Na verdade, vemos que alguns trechos das falas de Chico (ou Emmanuel, pois nunca sabemos quando as informações provêm dele) foram totalmente retirados do contexto e utilizados como respaldo às alegações do livro.

Na verdade, o trecho do programa Pinga Fogo que foi utilizado como base para essa profecia e que vem sendo citado como “prova” de que Chico realmente disse isso, ocorreu quando o jornalista Luiz Lopes perguntou a Chico se os mentores espirituais de Chico Xavier acreditavam que, em nossa atual civilização, o homem poderia entrar em contato com civilizações de outros planetas.

Como Chico condiciona essa resposta sobre a conquista espacial e contato com outras civilizações à resposta dada à jornalista Helle Alves sobre a transição planetária, vejamos primeiro o que Chico respondeu a ela.

“Nós nos encontramos no limiar de uma era extraordinária, se nos mostrarmos capacitados coletivamente a recebê-la com a dignidade devida. Se os países mais cultos do globo puderem suportar a pressão de seus próprios problemas, sem entrarem em choques destrutivos como, por exemplo, guerras de extermínio, que deixarão consequências imprevisíveis para nós todos no planeta, então veremos uma era extraordinariamente maravilhosa para o homem, porque a própria automação – diz ele – nos está dizendo que nós vamos ser aliviados ou quase que aposentados do trabalho mais rude no trato com o planeta, para a educação da nossa vida mental, através de informações sobre o Universo, com o proveito enorme, proveito incalculável, para o benefício da humanidade.

Mas isso terá um preço. Terá o preço da paz. Se nós pudermos nos suportarmos uns aos outros, quando não nos pudermos amar uns aos outros, segundo os preceitos de Jesus, até que essa era prevaleça… provavelmente no próximo milênio, não sabemos se no princípio, se nós meados ou se no fim.”

Agora, vamos a resposta à pergunta de Luiz Lopes:

“Estamos subordinando a resposta ao mesmo critério com que foi estruturada a informação para a nossa estimada entrevistadora (Helle) que falou sobre a nova era.

Se não entrarmos numa guerra de extermínio nos próximos 50 anos, então nós podemos esperar realizações extraordinárias da ciência humana, partindo da Lua.”

Em seguida, Chico comenta que Emmanuel fazia um paralelo da ida do homem à Lua com a vontade de Colombo de descobrir outro caminho para as Índias. E continua:

“Então, nós não podemos também acusar os nossos irmãos, que estão se dirigindo à Lua para pesquisas, que devem ser consideradas da máxima importância para o nosso progresso futuro, porque as despesas efetuadas com isso serão naturalmente compensadas, talvez com a tranquilidade para uma sociedade mais pacífica na Terra, porque, se não entrarmos por exemplo num conflito de proporções imensas, então na Lua é possível que o homem construa as cidades de vidro, as cidades-estufas, onde cientistas possam estabelecer pontos de apoio para observação da nossa galáxia. Essas cidades não são sonhos da ciência, essas cidades, naturalmente com muito sacrifício da humanidade terrestre podem ser feitas e provavelmente vai-se obter azoto, oxigênio e usinas de alumínio e formações de vidro e matéria plástica na própria Lua, para a construção desses redutos da ciência terrestre e, provavelmente, a água será fornecida pelo próprio solo lunar.

Então teremos, quem sabe, a possibilidade de entrar em contato com outras comunidades da nossa galáxia. Então, vamos, definitivamente, encerrar o período bélico na evolução dos povos terrestres, porque nós vamos compreender que fazemos parte de uma família universal, que não somos o único mundo criado por Deus.”

“Portanto, nós precisamos prestigiar a paz dos povos, a tranquilidade de todos, com o respeito de todos, com a veneração máxima pela ciência, para que nós possamos auferir esses benefícios num futuro talvez mais próximo do que remoto, se nós fizermos por merecer.”(4) (Todos os grifos são meus)

Ou seja, o tal prazo de 50 anos nunca foi citado como um prazo dado por Jesus para a Terra “se endireitar”, nem foi dito como um prazo rígido e sim como um exemplo. Chico chega a falar explicitamente que a transição poderia ocorrer no final do terceiro milênio (que termina no ano 3000!!). Como poderia estar falando em mudanças apocalípticas ocorrendo em 2019, no comecinho do milênio?

Muitos espíritas assumiram uma posição neutra em relação às profecias. Alegam que, não devemos entrar em atrito dentro do movimento. Essa atitude em tudo difere da atitude de Kardec quando, já no século 19, alguns críticos tentavam vincular o Espiritismo a praticas falsas. O Codificador nunca se omitiu, inclusive defendendo a si próprio quando o ataque poderia comprometer seu trabalho.

Outra alegação, muito comum, é que não precisamos nos preocupar pois Jesus está no comando da sua mensagem e não deixará nada de mau ocorrer. E, por acaso, Jesus não estava no comando da sua mensagem no Cristianismo primitivo? E os homens igualmente deturparam sua mensagem. E não estava no comando quando os primeiros reformadores se levantaram contra a Igreja Católica? E, mais uma vez, os homens se distanciaram do conteúdo da sua mensagem, atendo-se somente a forma. Será que esses espíritas acreditam que Jesus lançou a base do Cristianismo para, somente 18 séculos depois, prosseguir com sua mensagem na França e, depois, transferi-la para o Brasil?

Obviamente que, se os homens não deturpassem o Evangelho, talvez ainda no segundo século da era cristã já poderíamos ter o Consolador prometido. Ou logo após a Reforma Protestante, no século 16. O que faz esses espíritas acreditarem que, se deturparem a mensagem de Kardec, Jesus não poderá escolher outro local e outro grupo religioso, talvez inexistente atualmente, para prosseguir seu trabalho? Lembremos que os Espíritos Superiores não têm pressa. Quem tem pressa somos nós. Para eles, se levamos 500 anos ou mais para evoluirmos será triste, mas não será errado. Ninguém irá nos “evoluir na marra”.

Não deixa de ser arrogante, da parte dos confrades espíritas, acreditarem que são imunes a uma degeneração que afetou correntes religiosas que tiveram Santo Agostinho, São Francisco de Assis, São Vicente de Paulo, Jan Huss, Lutero, Calvino. Por que esses vultos do Cristianismo não foram igualmente protegidos? Porque o livre-arbítrio é uma lei! Nenhum espírito superior irá violentar nossas consciências se decidirmos seguir o místico, o maravilhoso, a fantasia.

Aqui voltamos ao assunto do código deixado por Chico. Qual o motivo dele ter criado o tal código? Para que seu nome não fosse usado para difundir ideias e conceitos que fossem contrários à verdade e, principalmente, para que o respeito que Chico levou ao Espiritismo não fosse maculado.

E o que nossos confrades estão fazendo? Divulgando, impensadamente, essas profecias, como sendo provenientes de Chico. Esquecem que o plano espiritual superior não define datas rígidas em suas mensagens. Não pararam para pensar no efeito que, um fracasso nessas previsões poderia trazer. Já encontramos na internet textos que afirmam que 2019 será o “ano em que Chico Xavier será testado”, ou seja, se nada do que consta na profecia – que Chico nunca divulgou – ocorrer, será o nome dele, e de todo o movimento espírita, que irá para a lama…

É se suma importância que os espíritas se manifestem em relação a essas profecias, que orientem uns aos outros, que alertem aqueles que não são espíritas, que essa profecia, que já ganhou a mídia leiga, não foi comprovadamente feita por Chico. Uma omissão nesse sentido poderá levar a consequências nefastas para o futuro do Espiritismo.

(1) As Vidas de Chico Xavier – Pág 12 – Marcel Souto Maior

(2) Retirado do site http://www.tvpaz.tv.br/0001/cronicas02/data_limite.asp?ID=47 de Nelson Moraes

(3) Texto de Rinaldo de Souza, retirado de blog na internet

(4) Pinga-Fogo com Chico Xavier – Págs 87, 97-99 – Saulo Gomes (org.)

Anúncios

Sobre Maurício M. Vilela

Espírita desde a adolescência, tenho tentado estudar o suficiente para saber separar o joio do trigo.
Esse post foi publicado em Filmes, Livros, Não Publicado e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

13 respostas para A TAL “DATA LIMITE” DE CHICO XAVIER

  1. O problema é que muitos procuram a doutrina espírita pensando em encontrar algo sobrenatural. Nem mesmo os frequentadores de centros espíritas entendem que o espiritismo é a religião do amor e da caridade e que para o verdadeiro espiritismo é preciso um profundo estudo nas obras de Kardec. Quem realmente estudou as obras percebe os absurdos ditos no documentário. Outro grande erro, como citado neste texto, é muitos espíritas acharem que esta religião é privilegiada, ou seja, que existe uma proteção maior para o espiritismo e que toda falsidade cairá por terra. Isto também é um absurdo, como o Mauricio disse, os espíritos superiores não tem pressa.
    Antes eu julgava muito a igreja católica pelo que ela se tornou. Percebo hoje que os próprios “espíritas” estão levando o espiritismo para o mesmo lugar.
    “O Espiritismo será aquilo que dele fizerem os homens” Léon Denis.

  2. Daniel Albuquerque disse:

    São 26 obras de Allan Kardec, que poucos leram e outros raramente as estudaram séria e profundamente e que o Movimento dito Espírita, reduziu para 5, e ainda alcunhou de “Pentateuco”… O autor dos texto acima, que o movimento espírita pode cair na lama… não! Ele poder ser reestruturado, seguindo as tais 26 obras de Allan Kardec, que esqueceram. Nelas não há uma frase que consta e afirma que Espiritismo seja religião.

  3. Jupiara Michel disse:

    Muito bom o texto,concordo plenamente com tudo o que esta escrito,menos que “o nome do Chico ira para lama”,pois sua vida exemplar ,fala por ela mesma.Infelizmente,pessoas com uma missão importante como a dele,nem sempre são cercadas por pessoas idôneas.Quanto ao Espiritismo,podem “entravar” temporariamente sua marcha,mas não impedir seu progresso pois esta dentro das Leis Divinas.

  4. Obrigado, estava na duvida sobre o documentário da data limite. Acredito que agora tenho melhores informações e condições para avaliar!

  5. Julio Fields disse:

    A estória dessa famigerada data limite é uma fantasia sem igual!

    É lógico que quando e somente quando a humanidade se tornar solidária, amando ao próximo em vez de fazer guerra ou acumular poder, todo o potencial científico aumentará astronomicamente, pois o foco de interesse será o bem estar comum.
    Agora, quem em sã consciência acredita que em dois anos isso acontecerá?
    Pelas experiências já vividas podemos constatar que toda informação que diz respeito ao futuro em que se colocam datas para acontecer é pura invenção de mentes desajustadas ou com intenções duvidosas.
    Erros de interpretações e ou distorções de informações recebidas também ocorrem, como no caso dessa famigerada “data limite”.
    O Chico nunca disse que existe uma data limite para a humanidade tomar juízo. Isso foi invenção do Geraldo Lemos, que usando a fama e o nome do Chico está conseguindo se promover, talvez para fazer sucesso na mídia.
    Foi esperto porque o Chico não está mais aqui para desmenti-lo.

    Para quem realmente estuda a espiritualidade, sabe que os seres espirituais, responsáveis pela condução da evolução do nosso planeta NÃO trabalham na base do improviso. Isso é coisa típica do ser humano materialista e imediatista, que ainda está vivendo na matéria e não tem noção do funcionamento da evolução como um todo no Universo.
    As deliberações importantes para o progresso da humanidade são feitas com conhecimento de causa e com antecedência de centenas e as vezes até de milhares de anos, sempre respeitando o livre arbítrio dos seres sencientes.

    Em toda e qualquer informação que recebemos (inclusive esta), temos que passar primeiro pelo crivo da lógica e coerência na sequência dos fatos, para podermos aceitar e absorver como verdadeiro.
    Infelizmente hoje em dia existem mais boatos e mentiras espalhadas nas redes, do que fatos verdadeiros.
    Estamos, por incrível que pareça, na era da desinformação!

  6. Ronaldo disse:

    excelente texto…Temos o DEVER de desmentir essa MENTIRA e o pior de tudo usar o nome do Chico Xavier, porque o seu próprio nome nada atesta de valor e credibilidade…
    CHICO É AMOR E CONSOLAÇÃO!!
    CHICO XAVIER NUNCA disse nada sobre tragédias, ele sempre pregou a paz e levou consolo aos corações.
    DATA LIMITE , só o nome já é uma mentira!!
    Leiam aos obras de Kardec, espíritos superiores não prevê e fixa datas!
    Quem compartilha mentira será responsabilizado pelas tragédias que podem acontecer. Deus é misericordioso e não destruidor.
    A mudança é moral. Vamos as fontes limpas e verdadeiras: Kardec, Chico e os exemplos de Jesus.
    Ler para não ser enganado , e cuidado para não enganar os outros por não procurar a verdade!! Não semeiem a mentira.
    Parem de pregar a destruição do Brasil ou de outro País. Paz e harmonia e não terror e dúvidas.
    Lembre-se de São Francisco de Assis: Sejamos instrumentos da paz; onde houver dúvida que eu leve a Fé!!!

  7. Flavio Junqueira disse:

    Texto muito bem escrito, coerente, longo porém necessário para alertar os verdadeiros cristãos racionais a não se deixarem levar por pessoas inescrupulosas.

  8. Esse texto me serviu como um bálsamo. Há tempos que ouço pessoas adeptas do espiritismo propagando a tal Data Limite, de tal modo que minha fé estava sendo minada e substituída por uma sensação de desespero e despropósito. Várias vezes me sentia extremamente angustiada quando alguém mencionava esse evento. Soava como uma tragédia inevitável, uma punição irremediável. Sempre me pareceu estranho que uma previsão tão fatalista pudesse sequer dialogar com a doutrina espírita, que sempre nos engolfa de esperança e consolo.

  9. Laura disse:

    Com o aumento da população mundial e o uso indevido dos recursos naturais já podemos ir nos preparando para um futuro beeem sombrio e beem proximo.

  10. Attilio Fraga (Rio de Janeiro-RJ) disse:

    Boa noite a todos. Confesso, que assisti ao documentário em questão. Apesar de, de início, ter dado crédito à obra, estranhei algumas das proposições. Embora eu creia, piamente, que ETs existem, não creio, que todas as sociedades (ou civilizações) ETs sejam, espiritualmente, evoluídas a tal molde, como proposto no documentário, e, que sejam regidas pela mesma filosofia de bondade e abnegação, propostas pelo saudoso Chico Xavier e nos Códigos de Kardec. Quando criança, assisti a algumas entrevistas de Chico, sem, muitas vezes, compreender o que ele falava. Mais tarde, na adolescência, tive meu primeiro contato com a Doutrina através de amigos que a seguiam – ou melhor, a estudavam – e, salvo engano e com a devida vênia, boa parte, do que se propõe no dito documentário, padecem de imensa contradição. O texto acima muito observam tais contradições. Acompanhando parte dos comentários, vejo que muitos ditos “espíritas” se assemelham aos “falsos profetas” alertados por Jesus Cristo. Resta claro, que estamos no “limiar”, por assim dizer, de uma “Nova Era”, mas não acredito, que esta “Nova Era” será um período a se iniciar com uma “previsão de datas”. Aliás, como muito bem observado pelo autor do texto, as advertências de Kardec e do próprio Jesus nos advertem quanto às “previsões de épocas” para acontecer. Penso, que, como tudo pelo que passamos pela vida terrena, precisamos de cautela, estudo e observação, antes de proferir qualquer comentário sobre assuntos polêmicos. Para muitos de nossos irmão, “Espiritismo” é polêmico, é controverso, é duvidoso, pois, tudo o que é desconhecido é assim. Os mais sensatos param, pensam, observam e procuram o conhecimento. Os demais, por vezes, falam sem pensar. Há, ainda, aqueles “inteligentes”, que procuram se promover e tirar alguma vantagem terrena, ganhar alguma notoriedade. Com tudo isso devemos ter cautela e os manter firmes. Sem querer me estender mais, parabenizo ao autor do texto e, desejo paz a todos, esperando ter contribuído um pouco, lembrando que, a Obra e os passos de Chico, pela própria natureza, não serão maculados. Que assim seja.

  11. Miguel Lira disse:

    Esses 50 anos que foi dado foi uma data para que nós seres terrestres nós não se exterminasse até essa data que foi dada por Jesus pq se nós seres terrestres passámos por essa data como ele msm Chico fala que Jesus dará a permissão para que os seres de luz nos visite. mas essa visita não vai ser imediato ele ainda vai demorar um pouco pq a população ainda não está preparada para esse contato, mais os governos já estão pq eles sabem que existem seres extraterrestres e esse contato cedo ou tarde vai acontecer.. eu creio que existem outros seres extraterrestres nesse nosso sistema solar pq ele é imenso. O ruim disso tudo é que existem os seres bons que são os seres de luz como Chico fala é tem os mal. Como aqui na terra tem gente para fazer o bem e gente pra fazer o mal. Nesses planeta que a vida extraterrestres com certeza tem os extraterrestres bons e tem os mal..

  12. Raphael disse:

    Estamos em um estado de carência onde esperamos algo extraordinário acontecer, razão pela qual somos seduzidos por falsas alegações. Devemos manter os estudos e o discernimento para não sermos enganados…..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s